Campo Grande, Domingo , 20 de Agosto - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: lava-jato

Lídio não foi ao evento de Bolsonaro porque tinha evento alusivo ao Dia do Advogado na Assembleia, onde condecorou Mochi

Postado por Marco Eusébio , 11 Agosto 2017 às 18:30 - em: Principal

A exigência de Jair Bolsonaro para que o PEN desista da ação no Supremo contra a prisão de condenados em segunda instância, o que na opinião dele pode "acabar com a Lava Jato", para que ele ingresse no partido que está trocando o nome para Patriota, tem aval do presidente estadual da sigla em Mato Grosso do Sul. Indagado, o deputado estadual Lídio Lopes disse ao Blog: 
 
– "Na verdade, foi o advogado do Zé Dirceu (Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay) que entrou com a ação porque o PEN não tinha mancha. Então, acho que ele está certo, porque se manter a ação, mata o discurso dele".
 
Embora todos os presidentes regionais da sigla tenham sido convidados para o ato que marcaria ontem o ingresso de Bolsonaro na sigla (leia aqui), Lídio Lopes não foi ao Rio de Janeiro porque tinha compromisso em Campo Grande: a entrega da Medalha do Mérito Advocatício, proposta por ele e realizada pela Assembleia na noite anterior, véspera deste Dia do Advogado. Na ocasião, Lídio entregou a medalha ao seu colega presidente da Casa, deputado Júnior Mochi (PMDB), que é advogado.



Bolsonaro discursa: 'Não estou no meio de santos, mas não farei conchavo com o diabo'

Postado por Marco Eusébio , 11 Agosto 2017 às 10:15 - em: Principal

Em ato transmitido ao vivo pela internet que selaria seu ingre no PEN que está trocando o nome para Patriota para abrigar seu projeto de disputar a Presidência da República, Jair Bolsonaro surpreendeu. Condicionou sua filiação se o PEN retirar ação movida no Supremo contra prisão de pessoa condenada em segunda instância. O deputado disse só soube dessa ação do PEN há dez dias. Para ele, isso poderia livrar figurões presos pela Lava Jato da prisão, o que significaria o fim da operação. 
 
"A gente não pode entrar numa possível campanha presidencial sendo atacado como o partido que enterrou a Lava Jato", declarou. "O que está em jogo é o futuro do país. Perco a eleição, mas não perco o caráter, não perco as calças. Não estou no meio de santos, mas não farei conchavo com o diabo", disparou Bolsonaro. Chamando o deputado de "presidente", o presidente do PEN, Adilson Barroso, afirmou que pretende retirar a ação para que Bolsonaro confirme sua filiação no futuro Patriota. Veja o vídeo.

 




Delcídio tem condição melhor do que Machado de manter benefícios da delação, conforme colunista de O Estado de S.Paulo

Postado por Marco Eusébio , 09 Agosto 2017 às 14:00 - em: Principal

As delações de Delcídio do Amaral, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de alguns delatores ligados à Odebrecht na Lava Jato vão passar por "recall" quando a nova procuradora-geral da República Raquel Dodge assumir o cargo no lugar de Rodrigo Janot. "Os colaboradores serão chamados para esclarecer inconsistências, apresentar provas de pontos específicos e responder a contradições entre seus relatos e os de outros delatores", revela Vera Magalhães em sua coluna na edição de hoje do Estadão de S.Paulo. 
 
Sobre uma delação que será anulada, conforme antecipou Janot em entrevista nesta semana, a jornalista explica que não é a colaboração do sul-mato-grossense. "Trata-se de um delator menos 'visado', segundo investigadores, e que mentiu deliberadamente em depoimentos. O nome é mantido em segredo porque a anulação ensejará outras medidas, como buscas e prisões", informa.
 
Vera Magalhães diz que as delações de Delcídio e de Machado têm o mesmo tipo de problemas: "não oferecem provas de conversas, fatos pretéritos e de como políticos do PT e do PMDB teria obstruído a Justiça". A jornalista esclarece, entretanto, que que Delcídio tem condição melhor do que Machado de manter os benefícios da delação, que, como reconhecem investigadores, "foi corroborada por assessores e colaboradores da Odebrecht".



Delcídio em depoimento à força-tarefa da Lava Jato: se PGR romper acordo, ex-senador manterá benefícios

Postado por Marco Eusébio , 07 Agosto 2017 às 17:45 - em: Principal

Procuradores da Lava Jato cogitam reavaliar o acordo de delação que livrou Delcídio do Amaral da prisão, diz hoje O Globo. O motivo, conforme o jornal, seria que as acusações feitas pelo ex-senador de MS contra Michel Temer, Lula, Dilma e Aécio Neves, entre outros, não teriam surtido efeito para as investigações deslancharem. "Alguns acordos não estão evoluindo bem. O do Delcídio é um deles. As investigações não avançam nem na primeira instância. Talvez alguns ajustes tenham que ser feito nesses acordos", disse ao O Globo fonte ligada ao caso. O jornal diz que Delcídio pode perder benefícios. Vale lembrar, entretanto, que fonte jurídica ouvida pelo Blog a respeito de notícia semelhante divulgada pela Veja no início do mês passado, explicou que o delador só perderia seus benefícios caso ele rompa o acordo. Se esse rompimento for feito pela PGR, Delcídio terá seus direitos assegurados conforme está escrito no próprio documento firmado com o Ministério Público. Veja aqui.




Postado por Marco Eusébio , 07 Agosto 2017 às 13:45 - em: Principal

Na sua opinião, o Brasil depois da Lava Jato melhorou, piorou, continua igual? Responda votando à direita (conectado ao Facebook) na nova Enquete da Semana do Blog!




Chamado de 'mosqueteiro de Temer' pelo UOL, Marun questionou pesquisas que apontam falta de apoio ao presidente

Postado por Marco Eusébio , 02 Agosto 2017 às 14:30 - em: Principal

Antes da votação da Câmara que deve decidir hoje se aceita a denúncia de Rodrigo Janot contra Michel Temer por corrupção passiva, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) desqualificou pesquisas como a do Ibope/CNI que apontou que só 5% aprovam o atual governo, rejeitado por 70%, na pior avaliação da história.
 
"Tem alguma coisa errada nessas pesquisas. Não é possível que ele tenha 95% de rejeição. Não vejo adesivo de 'Fora, Temer' nos carros por aí. As perguntas também devem estar equivocadas", afirmou Marun ao site UOL que chamou o deputado sul-mato-grossense de um dos "três mosqueteiros" de Temer. 
 
"Essa impopularidade de Temer é que nem cabelo de freira. Todo acha que existe, mas ninguém vê", acrescentou. 
 
Questionado sobre também ter apoiado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acabou cassado, Marun afirmou:
 
– "Eu nunca falei que ele ia vencer aqui, que eu sabia que ele estava derrotado. Mas isso não foi o suficiente para que eu me transformasse em um vira-casaca. Penso que Eduardo Cunha tem serviço prestado ao país e o principal dele tem serviço prestado ao país e o principal dele foi ter tirado aquela praga [em referência a Dilma] que assolava o Palácio do Planalto no comando da nação. Ele quem comandou o processo".



Fotos de Lula no sítio de Atibaia, uma delas em conversa com o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro também réu no processo

Postado por Marco Eusébio , 01 Agosto 2017 às 17:00 - em: Principal

O juiz Sérgio Moro aceitou hoje denúncia contra o ex-presidente Lula e outras doze pessoas, dentre elas o pecuarista José Carlos Bumlai, Marcelo Odebrecht e Emílio Odebrecht, donos da Odebrecht; e Léo Pinheiro, dono da OAS; no caso do sítio em Atibaia, no âmbito da Operação Lava Jato. Agora, todos são réus no processo. É a terceira vez que Lula vira réu em processo na Justiça Federal de Curitiba. Conforme o Ministério Público Federal (MPF), Lula recebeu propina em seis contratos firmados entre a Petrobras e a Odebrecht e a OAS, por meio de reformas realizadas no sítio que totalizaram R$ 1,02 milhão. Bumlai, conforme a denúncia, também teria pago parte da obra. Apesar de o imóvel estar em nome dos empresários Fernando Bittar e João Suassuna, os investigadores da força-tarefa encontraram uma série de elementos que, segundo a denúncia, comprovariam que o sítio pertence, na verdade, ao ex-presidente. Entre eles, estão bens pessoais, roupas e indícios de visitas frequentes ao imóvel. A denúncia afirma que entre 2011 e 2016, Lula esteve no local cerca de 270 vezes. (Com G1)




Lula durante seu primeiro depoimento perante Sérgio Moro na sede da Justiça Federal em Curitiba

Postado por Marco Eusébio , 26 Julho 2017 às 17:00 - em: Principal

A defesa de Lula informou hoje ao juiz Sérgio Moro que "não concorda" com o interrogatório por videoconferência, e que o depoimento "deve ser realizado presencialmente, tal como havia sido definido pelo juízo". Nesta ação, Lula é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF)  na Lava Jato de receber um terreno como propina, onde seria construída a sede do Instituo Lula, e um imóvel vizinho ao seu apartamento em São Bernardo do Campo (SP) adquiridos pela Odebrecht em troca de contratos com a Petrobras. O petista nega as acusações. Ao convocar o depoimento de Lula para o dia 13 de setembro, Moro permitiu que o petista pudesse ser ouvido por videoconferência, em São Paulo, para evitar sua ida a Curitiba e "gastos indesejáveis de recursos públicos com medidas de segurança" como a que envolveu policiais do Paraná e da PF em maio, quando o ex-presidente foi depor pela primeira vez perante o juiz na capital paraense, em maio. Em nota enviada à imprensa nesta tarde, o advogado Cristiano Zanin Martins diz que a defesa também informou a Sérgio Moro que pretende realizar gravação independente do depoimento.



Procurador de Goiânia compara 'ajuda' de Temer às escolas de samba cariocas, 8 vezes maior do que o orçamento da Lava Jato

Postado por Marco Eusébio , 26 Julho 2017 às 14:00 - em: Principal

– "Orçamento da União: FT Lavajato terá R$1,6 mi para investigações em 2018. Escolas de samba do RJ terão R$13 mi para uma semana de carnaval."
 
(Do procurador da República @HelioTelho, de Goiânia, no Twitter ao comparar a promessa de Michel Temer de dar uma "mãozinha" para a folia das escolas de samba cariocas mais do que oito vezes maior do que o orçamento previsto para a Força-tarefa da Lava Jato durante todo o próximo vindouro ano novo de velhos costumes)



Para desembargador do TRF4, Lula não provou que sua subsistência esteja em risco por causa do bloqueio de bens

Postado por Marco Eusébio , 26 Julho 2017 às 09:00 - em: Principal

O ex-presidente Lula sofreu sua primeira derrota no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) onde recorrer contra sua condenação pelo juiz Sérgio Moro no caso do triplex. O desembargador federal João Pedro Gebran Neto negou ontem pedido da defesa do ex-presidente para revogar o bloqueio de seus bens determinado por Moro, na semana passada, que inclui R$ 606,7 mil em contas bancárias retidos pelo Bancio Central mais de R$ 9 milhões de planos de previdência privada em nome do petista. A defesa alegou que Moro não poderia ter promovido novas medidas cautelares após a sentença, que condenou Lula a nove anos e meio de prisão, e pediu urgência na liberação dos recursos. Para o desembargador do TRF4, o petista não comprovou que a sua subsistência esteja em risco por causa do bloqueio.