Campo Grande, Segunda-Feira , 11 de Dezembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: exercito

Depois de falar do 'balcão de negócios' de Michel Temer, general Mourão vai atuar na Secretaria-Geral do Exército

Postado por Marco Eusébio , 09 Dezembro 2017 às 17:45 - em: Principal

Após a repercussão das críticas que fez ao presidente Michel Temer em palestra na quinta-feira à noite em Brasília, o general Antonio Hamilton Martins Mourão foi afastado da chefia da Secretaria de Economia e Finanças do Exército. Agora, vai trabalhar na Secretaria-Geral do Exército. Na palestra no Clube do Exército, Mourão afirmou que Temer vai conduzindo seu mandato "aos trancos e barrancos", e se equilibrando graças a um "balcão de negócios" para chegar ao fim do mandato (veja aqui em vídeo). Na ocasião, além de tecer elogios a Jair Bolsonaro e críticas a Lula, o general informou que irá para a reserva no 31 de março de 2018, data do golpe militar de 1964. Hoje pela manhã, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, postou no Twitter que falou com o comandante do Exército, general Villas Boas, sobre o caso.




Militar em operação de Estado em combate ao crime no Morro dos Macacos, na cidade do Rio de Janeiro

Postado por Marco Eusébio , 12 Outubro 2017 às 14:00 - em: Principal

O Senado aprovou nesta semana o projeto que transfere à Justiça Militar o julgamento de crimes cometidos por militares contra civis em missões de Garantia da Lei e da Ordem, como a que ocorre na cidade do Rio de Janeiro. O texto aguarda a sanção do presidente Michel Temer para virar lei. "O Tribunal do Júri visa permitir que cidadãos julguem seus pares, ou seja, outros cidadãos. Militares das Forças Armadas no exercício de sua missão não estão agindo como cidadãos, mas sim como o próprio Estado. A força máxima deste deve ser julgada por Justiça Militar especializada, que entende e conhece as nuances da sua atuação", defendeu o senador Pedro Chaves (PSC-MS), relator da matéria. "Agradeço a aprovação do PLC 44, que garantirá a segurança jurídica de meus comandados quando em operações de Garantia da Lei e da Ordem", escreveu no Twitter o comandante do Exército, general Villas Boas.




General Mourão: 'ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, ou teremos que impor isso'
O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, disse neste domingo que "não há qualquer possibilidade" de intervenção militar no Brasil por causa da crise política. A afirmação foi feita ao ser questionado pelo Estadão de S.Paulo sobre declarações do secretário de economia e finanças do Exército, general Antonio Hamilton Mourão, que, em evento da maçonaria na sexta-feira em Brasília, indagado sobre uma possível intervenção militar diante das denúncias de corrupção envolvendo até a Presidência da República, admitiu a possibilidade. 
 
Na ocasião, o general declarou que ele e seus "companheiros do Alto Comando do Exército" avaliam que ainda não é o momento, mas a ação poderá ocorrer após "aproximações sucessivas". "Até chegar o momento em que, ou as instituições solucionam o problema político, pela ação do Judiciário, retirando da vida pública esses elementos envolvidos em todos os ilícitos, ou então nós teremos que impor isso." 
 
Procurado pelo jornal neste domingo, o general Mourão disse que "não está insuflando nada" e que não defendeu a tomada de poder pelos militares, apenas respondeu a uma pergunta e que não estava falando em nome do Exército, mas de forma pessoal. O general, entretanto, reforçou sua opinião de que "se ninguém se acertar, terá de haver algum tipo de intervenção, para colocar ordem na casa". Veja o vídeo com as declarações do general que geraram a polêmica.
 




General de exército Sérgio Westphalen é cogitado para a Presidência por grupo do PMDB que inclui Marun

Postado por Marco Eusébio , 09 Setembro 2017 às 14:30 - em: Principal

Um grupo de lideranças do PMDB em Brasília, que inclui o vice líder do partido na Câmara, deputado federal Carlos Marun (MS), pretende convencer o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general de exército Sérgio Westphalen Etchegoyen, a se filiar ao partido como opção para disputar a Presidência da República em 2018. Procurado neste sábado pelo Blog, Marun, que está em Campo Grande, não quis comentar o assunto. Mas também não negou a articulação.




Cada policial pode adquirir até duas armas nacionais dos calibres autorizados, incluindo o 9mm

Postado por Marco Eusébio , 25 Agosto 2017 às 09:00 - em: Principal

O Exército autorizou policiais militares, civis e bombeiros dos estados e do Distrito Federal a comprar, para uso particular, pistolas calibre 9mm, até então restritas a agentes da Polícia Federal e das Forças Armadas Brasileiras. A decisão foi tomada pelo comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Boas, por meio de quatro portarias publicadas no boletim interno da corporação, na quarta-feira. Na última alteração da resolução, em dezembro 2012, esses policiais tinham direito pessoal de portar calibres ponto 357 Magnum, ponto 40 e ponto 45. As armas de calibre 9mm seguem proibidas para ações de policiamento nos estados, onde só podem usar revólver calibre 38 e pistola ponto 40. (Com Correio Braziliense)



No Twitter, general Villas Boas diz que Exército é aprovado pela população por 'valores, ética e tradição'

Postado por Marco Eusébio , 25 Junho 2017 às 12:00 - em: Principal

"Valores, ética e tradição" - escreveu no Twitter o comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, sobre a pesquisa do Datafolha divulgada neste fim de semana pela Folha de S.Paulo apontando que as Forças Armadas, apoiada por 43%, são a instituição em que a população deposita mais confiança no Brasil hoje, enquanto o Congresso e a Presidência (ambos com 3% de aprovação) e os partidos políticos (com 2%) caíram em descrédito. Veja mais aqui na FolhaOnline.




Aviso divulgado nas redes sociais pelo general Villas Boas: 'estrita observância aos ditames constitucionais'

As Forças Armadas estão de olho na crise política nacional. Após encontro dos ministros do Exército, Marinha e Aeronáutica com Michel Temer, convocados pelo ministro da Defesa Raul Jungmann, para discutir a conjuntura atual, o Exército e seu comandante, o general Eduardo Villas Boas, divulgaram no Twitter e no Facebook na noite de sexta-feira a mensagem acima, em que avisam a população e aos que eventualmente queiram se aproveitar da situação: "No encontro, foi destacada a estrita observância das Forças Armadas aos ditames constitucionais. O General Villas Boas, Comandante do Exército, reafirma que a atuação da Força Terrestre tem por base os pilares da estabilidade, legalidade e legitimidade, e ressalta a coesão e unidade de pensamento entre as Forças Armadas".




General Theophilo, comandante logístico do Exército, fará palestra na Fiems

Postado por Marco Eusébio , 02 Maio 2017 às 16:15 - em: Principal

O Exército vai apresentar a empresários de Mato Grosso do Sul detalhes sobre a possibilidade de fornecer suprimentos às tropas que atuam em missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) no exterior. Em parceria do Comando Militar do Oeste (CMO) com a federação das indústrias, a Fiems, o general Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira, comandante logístico do Exército, fará palestra sobre o tema "Oportunidades de Negócios para Empresários com o Exército e a ONU", amanhã, a partir das 14h, na sede da Casa da Indústria, em Campo Grande.



General Villas Boas: preocupação com o perigo de líderes populistas

Postado por Marco Eusébio , 22 Abril 2017 às 17:00 - em: Principal

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, declarou que a instituição foi sondada e rechaçou a hipótese de apoiar a decretação de estado de defesa nos dias tensos que antecederam o impeachment de Dilma. A revelação foi feita em entrevista à revista Veja que chegou às bancas neste fim de semana. Villas Bôas não diz quais políticos fizeram a consulta, disse apenas que são de esquerda, e afirmou que as Forças Armadas ficaram "alarmadas" com a perspectiva de serem empregadas para "conter as manifestações que ocorriam contra o governo". "Nós temos uma assessoria parlamentar no Congresso que defende nossos interesses, nossos projetos. Esse nosso pessoal foi sondado por políticos de esquerda sobre como nós receberíamos uma decretação do estado de defesa", afirmou Villas Bôas. Na entrevista, o comandante do Exército também manifesta também preocupação com o "perigo" de surgir no país líderes populistas com discursos “politicamente incorretíssimos, mas que correspondem ao inconformismo das pessoas".